Pessoal

Provas e mais provas...

sexta-feira, outubro 28, 2011

Olá, a sumida apareceu para aparecer as novidades que sumiram, tchanaam. Depois de quase 3 semanas sem postar, pois queria chegar com os acontecimentos dos ENEM e da tal prova de Teatro, estou de volta. Para isso tive que dar um certo tempinho longe dos teclados, mas aqui estou, sobrevivi ao tsunami.

Para começar vamos falar do ENEM, e antes de mais nada quero deixar minha indignação pois já estão querendo cancelar o infeliz. Me matarei com uma faca sem ponta, de serra e sem fio se isso acontecer. Mas sem lenga lenga, o que aconteceu comigo foi o seguinte: no 1º dia, que foi o mais punk devido as questões complicadas, não teve muita maluquice a não ser pelo fato que eu dormi no meio da prova. Não aguentei de sono e dei várias cochiladas entres uma pergunta ou outra. Nada de mais. Pelo fato de estar morrendo de sono não consegui ficar parada na cadeira, me mexi tanto que tenho certeza que a guria de trás queria minha morte. Derreti horrores nos 2 dias, porque o aqui tava queeeente pra caralho e morri de fome pois não tinha certeza se podia levar alguma coisa para comer.
O mesmo erro não se repetiu no segundo dia, onde eu fiz praticamente um picnic na sala, mas como um acerto vem 2 erros, no mínimo, e o dia estava mais quente que o anterior e meu chocolate derreteu na primeira hora da prova, minha água ferveu e morri de sede. Mas sem sombra de dúvida e com a mais perfeita burrice, o meu maior erro foi ter esquecido a merda da caneta em casa, que no dia seguinte descobri que ela esatava lá o tempo todo bem escondida num bolso da bolsa. Na hora a fiscal me emprestou e deu tudo certo. Na hora da saída o chocolate podia ser tomado de canudinho então tive que levar na mão a viagem inteira. Além disso, mais coisas confusas aconteceram também, como chegar no local da prova com o zíper da calça aberto, derrubar o suco de chocolate no banco de trás no ônibus ou descer dele com o cinto do avesso... coisas básicas, rotinas do dia a dia.

No domingo terminei de ler Otelo, na segunda ensaiei bastante e decorei todo o monólogo. Na terça foi a hora da verdade. O horário marcado era 13:00, cheguei lá e estava lotado de gente, saindo porta fora, nos chamaram, separaram em 2 grupos e esperamos em uma sala. Nas salas ao lado, era onde estavam os professores que iam nos avaliar. Eu fui chamada logo no começo pois era por ordem de inscrição. Fiquei esperando fora da sala enquanto um guri fazi o teste dele... só para deixar constatado, eu estava calma, apesar de um pouco anciosa, mas calma. 10 minutos depois ele sai da sala e eu me apavoro. Começo a tremer loucamente, meu coração despara e vai parar na boca e me dá uma mijadeira. Foi um caos ! Ele finalmente me chamou, fechou a porta e disse como iria ser e quando eu quisesse poderia começar. Dei um tempo para respirar e começei, tremendo, o monólogo. No meio da fala eu me embolei e esqueci... parei. Ele disse para continuar de onde eu tinha parado, começei de novo e fui até o fim, mas não me lembro do que fiz com as mãos, os pés ou a cabeça, só me lembro de me concentrar muito na fala e não esquecer de novo.
Depois disso a professora  me deu um envelope para sortear o que ia ser a minha improvisação, o papel que eu peguei estava escrito: "Encontrou objeto precioso no hospital."... minha cara de interrogação foi muito feia... o que eu ia fazer, não fazia idéia. Joguei meu relógio no chão e fiz que achei ele, que não sabia o dono e com a dúvida se eu  pegava para mim ou não. Foi basicamente isso, foi horrível. Depois ela fez algumas perguntas sobre o livro e fui embora.

Na saída liguei para casa, minha mãe atendeu e desandei a chorar. Falei que tinha sido horrível e que eu esqueci a fala e estava tremendo demais. Desliguei. Consegui me recompor e fui ver meu namorado no trabalho dele. Quando eu vi ele, chorei de novo, chorei como criança que deixou cair o pirulito na areia. Depois de muito choro, fui para o trabalho e contei essa mesma história por, no mínimo, 15 vezes. Consta no Manual do Candidato que o resultado sai até dia 03/11. É esperar para ver.

O post foi longo, eu sei, mas tinha que contar. Vou ansiosamente olhar o site da UFRGS até dizer o resultado. Torçam por mim, por favor. Bjs bjs bjs, amo vocês.

Pessoal

Incertezas

domingo, outubro 09, 2011

Geralmente eu não gosto de falar do meu futuro, ou sobre o que eu quero fazer da minha vida, até porque a resposta será somente uma: "Eu não sei" Nunca soube, não sei e pelo jeito vou demorar a saber. Tenho 20 anos e muita coisa aconteceu, já pensei muitas maluquices, desde criança. Já quis ser veterinária, professora, cantora, dançarina, atriz, simplismente famosa, já quis nunca mais levantar da minha cama e não ser droga nenhuma, já quis ser dona de casa, modelo, médica, designer, alcoólatra, piranha, e até mesmo outra pessoa... mas nada disso diz o que eu quero ser hoje, talvez esteja criando o que vou ser amanhã, mas por enquanto fica aquela incerteza pairando.
Em 2007 quando terminei o infeliz ensino médio, com os meus lindos 16 anos, só queria vagabundear. Naquela época eu pensava "Estudar, nunca mais!" e quando ainda não tinha nem feito um ano que o inferno tinha acabado, começou outro: quero voltar para o colégio desesperadamente, quero voltar a ter 13 anos e fazer tudo de novo. O sonho dos meus pais sempre foi o deu eu fazer facul depois do colégio, não que eles fizessem pressão sobre isso, pelo contrário, eles mal falavam, mas no fundo eu sabia. É claro que 4 anos depois esse sonho já murchou, apesar de todo esse tempo eu sempre trabalhar, parece não ser a mesma coisa.

Nesse meio tempo cheguei a fazer um curso técnico de Radiologia, mas achei um saco, fiz até a 3º sementre e cancelei antes do estágio. Podem me matar, minha mãe também tentou, mas fui eu que paguei, eu que não aguentava ir mais nas aulas e ouvir sobre íons, kVs, colimar na área certa, blá blá blá. A melhor parte, confesso, foi a médica. Amei saber as funções de órgãos, os nomes de cada ossinho do corpo, as aulas de enfermagem - até aprendi a esfaquear alguém do jeito certo. Nesse instinto médico dentro de mim que até hoje tenho vontade de assistir aulas de dissecação, parece meio nojento, mas criei uma certa fascinação.
No ano passado eu já tinha pensado em prestar vestibular e minha primeira opção era Teatro, mas tem uma prova de habilitação específica antes do vestibular para ver se tu é apta para cursar esse curso. Essa prova consiste em um monólogo, perguntas do juri e improvisação. Eu fiquei toda mijada só de saber e pulei fora. Um ano se passou e esse ano eu disse que ia tomar coragem e encarar a tal prova, mas ainda estou tremendo nas bases, mesmo assim fiz minha inscrição, paguei e a prova já está marcada para dia 25/10. Vou deixar aqui para vocês verem o texto do monólogo. Otelo - William Shakespeare.

Emília - "É claro que não faria semelhante coisa por um anel duplo, nem por algumas peças de cambraia, de linho, nem por vestidos, anáguas, nem por chapéus, nem por qualquer pequeno adereço, mas pelo mundo inteiro!... Mas eu acredito que, quando as mulheres caem, é por culpa dos maridos, se não cumprem seus deveres e derramam nossos tesouros em regaços estranhos, ou, então, estalam em ciúmes mesquinhos, impondo-nos restrições; ou, ainda, nos batem e reduzem por despeito nosso orçamento habitual, então sim, não somos pombas sem fel e, embora possuamos certa virtude, não temos falta de espírito de vingança. Que os maridos fiquem sabendo que suas mulheres possuem sentidos iguais aos deles; vêem, cheiram, possuem paladar, não só para o doce como para o amargo, exatamente como eles possuem. Que procuram quando nos trocam por outras? Será prazer? Acho que é. São levados pela paixão? Acho que sim. É fraqueza que os faz errar assim? Acho que é também. Pois bem, não temos nós paixões, desejos de prazer e fraquezas como têm os homens? Tratem-nos então bem! Caso contrário, saibam que os males que nos causam nos autorizam a causar-lhes outros males!"

Lendo assim parece fácil, apesar da linguagem antiga. No geral eu tenho que ler a peça completa, saber todinha para depois ser questionada sobre ela. Estou em um desespero e cogitando a possibilidade e não ir na tal prova e prestar vestibular para o curso de escape, Publicidade e Propaganda, e deixar como está. Já procurei lugares onde tem curso de teatro, aulas e tudo mais, mas não bate com o meu horário do trabalho. Realmente não sei o que faço, as gurias do trabalo disseram para eu deixar de ser medrosa e 'encara os cara' e a Dani sempre me diz que a Globo está me perdendo... bom se fosse, hehe !
É com esse faço ou não faço que deixo vocês hoje. Por enquanto a incerteza, amanhã o absoluto... me aguardem.

' I swear the world better prepare for when I'm a billionaire.'

Sorvete de Girafa

Temos um Ateliêr de Amigurumis e outras peças super fofas. Vêm nos seguir!

Quote

"It's just a sparkle but it's enough to keep me going.
And when it's dark out, no one around, it keeps glowing!"
- PARAMORE -