Pessoal

Mesma novela, novo capítulo

sábado, novembro 29, 2014

Tu não sabe o quanto é difícil pra mim não estar contente com algo e simplesmente ignorar. Não sei me incomodar e fingir que nada aconteceu.

Saber que o fato de eu não te ligar por um dia inteiro, e talvez no próximo, não te afeta em nada. Já que tu não pode me ligar ou mandar uma mensagem sequer. Olhar o que te deixei no Face, então...

Se ser ignorada é uma arte, me vejo totalmente sem talento. Não sei ficar braba e não falar nada. Se dou indireta é pq espero algo de ti. Quero que tu note que eu existo e que gostaria de um reconhecimento, no mínimo. Ou talvez que tu cumpra a tua palavra. Não é tão difícil assim pegar o telefone entre uma tarefa ou outra.

Como eu devo me sentir quando depois de 2 dias sem ser procurada, eu sei que tu ta numa festa com teus amigos bebendo? Talvez fumando de novo. Então tudo aquilo que conversamos foi por nada? Mais um discurso pra eu calar a minha boca e tu continuar fazendo oq bem entende. Depois não adianta omitir os fatos.

Quero poder continuar colocando em prática aquilo que sempre preguei. Que cada um tem sua vida, seus amigos. Cada um pode sair quando quiser e ter seus espaço. Só que dessa maneira é bem difícil.
Confiança é feita de vidro vagabundo, quebra fácil. Não acho que a nossa deva cair no chão.

Depois não adianta dizer que eu só sei chorar ou que não te deixo fazer as coisas. Talvez se me procurar fosse espontâneo, eu não teria que impor a minha presença.

Daí, fico eu aqui. Escrevendo no celular uma coisa que não posso te dizer sem causar uma briga enorme e uma ameaça de 'estou cansado disso tudo, desse jeito não vai dá'. Que idiota que eu sou. Sempre fui, desde o começo. Sempre fui muito disponível, esse é o problema. Vou mais uma noite dormir chorando e esperando que amanhã seja diferente. Ou que a desculpa seja outra.

Boa noite. Boa festa.

Pessoal

O que ainda é

domingo, novembro 23, 2014

Ainda fico feliz quando ganho presentes no aniversário ou de dia das crianças, porque ainda sou a filhinha do meu pai.
Ainda jogo minhas roupas sujas no canto do quarto para minha mãe pegar, todo sábado de manhã e colocar na máquina de lavar.
Ainda grito da minha cama chamando meu pai porque quero um copo d'água.
Ainda ganho o melhor pedaço de bife, aquele que minha mãe tirou todos os nervos que eu não gosto.
Ainda é dia de pizza todo sábado de noite.
Ainda sei onde meus pais encondem meu ovo de Páscoa todo ano.


Ainda tenho vergonha de falar de coisas sérias com meus pais.
Ainda tenho meus cds das Chiquititas.
Ainda sei dançar o Ragatanga.
Ainda me sinto feliz por saber cantar e enrolar algumas músicas das Spice Girls.
Ainda me pego batendo os dedos no lóbulo da orelha.
Ainda tenho o meu último caderno de confidências.
Ainda guardo a minha coleção de revistas, recortes, adesivos e milhões de coisas Avril Lavigne.

Ainda fico horas sem comer nada, só esperando minha mãe voltar para casa.
Ainda espero ansiosa o filme "A Bela e a Fera" sair em dvd.
Ainda me apego a coisas que aconteceram antigamente.
Ainda tenho uma caixa cheia de brinquedos do Kinder Ovo.
Ainda tenho algumas Barbies antigas, mastigadas e pintadas de canetinha.
Ainda guardo as camisetas do colégio assinadas pelos meus colegas e com cheiro de ovo, que jogávamos uns nas cabeças dos outros.

Ainda falo com voz que criança.
Ainda fico horas e horas cantando e decorando músicas.
Ainda vejo as fotos antigas e sinto saudades do que fiz e ainda não fiz.
Ainda sonhos os mesmos sonhos de criança.
Ainda carrego os mesmo objetivos dos meus 14 anos.

Quem sabe ainda sou uma garotinha ?

Textos

Pequenas felicidades de ônibus

quinta-feira, novembro 13, 2014

Depois de um dia de trabalho, exausta, ônibus não vem nunca, entrar e ver aquele lugar vago te esperando.
A paz de abrir seu chocolate, descansando os pés.
Ler uma das poesias no vidro e sorrir.
Linha do primeiro horário: entrar e ver que não tem nenhum conhecido e agradecer, pois tu recém acordou e não quer papo com ninguém.
Reencontrar aquele pessoa que tu não vê à tanto tempo.
Encarar a rua pela janela e perceber que se perdeu em pensamentos.
Depois de tomar um baita susto, perceber que a tua parada ainda não passou.
O motorista te ver lá de longe e esperar tu dar aquele corridinha, só para não perder o bus,
Motorista e cobradores educados que correspondem ao teu 'Bom dia !'.
Observar, observar e observar mais um pouco as pessoas.
Secretamente avaliar e se sentir mais aliviada por ter gente que se veste pior do que tu naquele dia.
Ver "the worst bad hair day than you".
Sentar do lado de alguém quentinho e fofinho, no inverno.
Alguém se oferecer para segurar sua mochila pesada da faculdade, enquanto tu está em pé naquele bus lotado.
Aliviar as costas de alguém refazendo esse gesto.
Ter conversas interessantes com uma senhora simpática que sentou do seu lado.
Rir com os assuntos estranhos e gírias malucas.
Rir mais ainda das besteiras que escrevem atrás dos bancos.


Sorvete de Girafa

Temos um Ateliêr de Amigurumis e outras peças super fofas. Vêm nos seguir!

Quote

"It's just a sparkle but it's enough to keep me going.
And when it's dark out, no one around, it keeps glowing!"
- PARAMORE -